Como reconheço a minha vibração?

Tudo na vida tem uma frequência energética. As pedras, as árvores, os animais e os seres humanos.
Estas frequências têm uma vibração energética relacionada com o seu nível de consciência.
Relativamente ao ser humano, e por este ter praticamente 80% de água no seu corpo, é muito influenciado pelas frequências energéticas das emoções e pela retenção destas no seu corpo.

A água sendo um elemento que se relaciona por osmose, de um modo fluído, moldável e neutro, e simbolicamente ligado à memória e às emoções, poder-se-á imaginar o impacto que qualquer “programação” possa ter no nosso ser, principalmente até aos 7 anos de idade que é a fase onde a nossa mente racional e discriminativa ainda não foi criada e definida totalmente.

Quando falo de programação falo de pré – conceitos e julgamentos que nós assumimos perante a vida muitas vezes sem os questionar, principalmente na nossa infância.
Durante toda a nossa vida estaremos sempre aptos a ser programados pelo exterior, seja ele familiar, social, cultural ou religioso.
Somos constantemente condicionados pelo ambiente e contexto onde vivemos, através dos nossos relacionamentos, trabalho, comunicação social, etc.

Devido a este processo de interação que temos uns com os outros, com as coisas e situações, o nosso ser verdadeiro vai sendo “tapado” pela criação de uma identidade condicionada por crenças, julgamentos e perspectivas de invariáveis fontes.
Consequentemente vai-se assumindo assim verdades que muitas vezes são simplesmente impostas pelas experiências e vivências de outros como também por conceitos ou sistemas que nos foram incutidos como sendo os “certos“ para nós.

Com isto, o percurso de vivência humana vai criando memórias no nosso corpo emocional, manifestando-se em emoções com alta vibração ou baixa vibração.
Tudo na vida é neutro e a pura verdade é refletida e manifestada pelos factos, ponto!
Isto é, tudo é o que é! Nada mais.
No entanto com um crescimento assente numa realidade fundamentada  no bem e no mal e no certo e errado, baseada numa perspetiva criada através da pessoa que definiu “aquilo” como certo ou errado, o ser humano é logo desde cedo ensinado a separar, a catalogar e a rotular-se tanto a si próprio como consequentemente o outro.

Aqueles que foram programados pelo exterior e pela sua experiência maioritariamente por emoções com alta vibração , como o Amor, alegria e a paz e que começaram a rejeitar desde cedo experiências que lhes pudessem suscitar emoções de baixa frequência, são pessoas com uma vibração alta, seres com um bom discernimento relativamente ao que é certo e errado para si. São pessoas com convicções e valores fortes construídos pelo seu percurso de vida, força interior e fé.
No entanto aqueles que foram programados desde muito cedo com emoções de baixa frequência como a culpa, vergonha, medo, etc., consequentemente mais tarde irão ter  percursos de vida turbulentos, desafiantes e pouco inspiradores. Terão como resultado uma vibração mais baixa e claro, mais susceptível e influenciável pelas realidades externas de outras pessoas.

Todas as emoções têm vibrações e as mais baixas e mais difíceis de nos livrarmo-nos são de facto a vergonha e a culpa, seguidamente pela apatia e o medo, sendo estas piores que a raiva ou mesmo o orgulho, pois estas duas últimas ainda nos fazem agir, criar dinâmica e “lutar” pelas coisas. É como se ainda houvesse alguma vida e energia em nós, enquanto que a vergonha, culpa, medo e afins só nos limitam, paralisam e tiram-nos totalmente a vontade de agir, de fazer ou mesmo de existir.
Com isto pergunto:
“Está a amar coisas na sua vida ou a julgar coisas fora da sua vida?”

Sugiro que esteja atento aos julgamentos, pois podemos adquiri-los como verdades através de:
– Alinhamento com eles
– Concordância com eles
– Resistência a eles
– Reacção a eles
Como resultado vamos criando crenças e verdades que vão moldando a nossa vibração.

Se quer saber de onde elas vêm comece por observar certos pensamentos e afirmações como:
“Eu não consigo fazer isto porque…” ou “ já sei que não vai funcionar ou acontecer porque…”, etc. A sua justificação é a pista para o que o está a bloquear.
Afirme algo que diz que não consegue e experimente  perguntar:” Isto é mesmo verdade para mim?”

Para mudar e elevar a sua vibração tem várias opções:
1 – Tome consciência e escolha. Você é um ser sábio e vibracional que está num corpo físico. Quando decidir mudar alguma coisa, tudo o que estiver no caminho virá á tona.
Seja a causa e não o efeito pois a alma é o conhecimento enquanto que a mente cria a experiência.
Lembre-se: A realidade é o total conhecimento na prática.
2 – Não crie resistência. Observe e tome uma atitude diferente perante o que surgir. Deixe passar não se identificando com a situação e não lhe dando significado e para não criar uma emoção de baixa vibração.
Lembre-se: Posso ter tudo o que escolho, mas não o que quero .

Logo pergunto-lhe: “O que escolhe ser em relação àquela situação que o está a incomodar agora?”
3 – Questione-se mais e substitua as crenças limitativas por crenças expansivas!
4 – Abençoe e seja grato pelas coisas que já tem na sua vida.
5 – Brinque mais, pois a vibração da alegria é a vibração da cura.
6 – Ame e alinhe-se com o que realmente quer!

Para finalizar convido-o a desafiar-se!
– Que verdades ainda carrego comigo relativamente ao amor, dinheiro e sucesso que me impedem de elevar a minha vibração e ser feliz?
– Que emoções ainda carrego relativamente àquela pessoa ou situação que me impedem de ser quem realmente decidi ser?

Bem haja,
Filipa Andersen

By | 2016-10-11T18:26:25+00:00 11 Outubro, 2016|Inner Coaching|0 Comments

Leave A Comment

9 + 9 =